Chegando na Villa Riso

Gente, muito obrigada pelos elogios no post de ontem. JURO pra vocês que essa trança é super fácil de fazer, afinal, se eu, que sou um zero a esquerda no quesito penteado, consegui, então todas conseguem fazê-la também. :) 

Bem, hoje voltamos aos relatos do casamento... 

Depois de uns 10 minutinhos apertados no carro, finalmente chegamos na Villa Riso. Na entrada, primeiro tem um portão na altura da rua, com a guarita do segurança, e depois tem uma subidinha de uns 2 minutinhos, aonde fica a casa. Por causa disso, fizemos o check-in dos convidados no portão, ou seja, os convidados davam seus nomes ainda dentro de seus respectivos carros. 

Quando nosso carro chegou na guarita, o segurança, fazendo seu devido trabalho, pediu, "Nomes dos convidados, por favor." 
O motorista do carro respondeu, "Helen Harris. Esse é o carro da noiva."(O que, supostamente, deveria ser o suficiente para o segurança deixar a gente entrar, né?) 
Porém, o segurança disse, "Esse nome não está na lista." (claro, né? Por que o nome da noiva estaria na lista?!)
O motorista responde, com mais precisão, "Esse é o carro da noiva. Helen é a noiva." Bem, aí o segurança deixou a gente passar..
Enquanto isso, nós três ríamos no banco de trás...segurança show: ninguém entra sem o nome na lista! Nem mesmo a noiva! rsrsrsrsrs 

Enfim, quando chegamos na altura da casa, não tinha como ficar esperando dentro do carro. Primeiro, porque o cortejo saia da casa, não da rua, então logisticamente não fazia sentido. Segundo, porque meu vestido estava amarrotando a cada segundo que passava sentada... 

O problema: o Thiago estava lá dentro da casa, junto com os padrinhos, na "concentração" para o cortejo, e se eu entrasse pela porta principal, ele iria me ver. (Só para explicar melhor: a concentração era no segundo andar da casa, e o salão de festa fica no primeiro andar, no canto da direita da foto acima.)
Thiago na "concentração," com um dos padrinhos dando o toque final na gravata ;)

Observação importante: eu NUNCA dei bola para esse papo de "Dá azar o noivo ver a noiva antes da cerimônia." Porém, o Thiago, supersticioso, não queria me ver antes da cerimônia de jeito nenhum...aí tive que acabar me escondendo dentro da própria casa. Imaginem a cena: eu, com meu vestido (pouco) grande, a cauda e o véu, tendo que subir uma micro-escadinha apertadinha na cozinha, com minha amiga querida carregando a saia atrás do vestido para não arrastar...(Ainda acho que, se o Thiago que tinha o problema em me ver, que escondessem o NOIVO, não a noiva, ora bolas...)

A parte legal dessa entrada escondida na casa foi que pude ver a decoração da festa antes de todo mundo (para chegar no meu "esconderijo," tivemos que passar pelo salão de festa).
Entrando no salão de festa para me esconder.
Apesar de ter reclamado (e ainda reclamar) que EU tive que ficar escondida, adorei poder entrar pelo salão de festa e ver TODOS os detalhes com calma, pois todo mundo estava lá fora para a cerimônia e o salão ainda estava fechado para os convidados. Querem ver as fotos lá de fora?
As palmeiras imperiais que eu ADORO! Plantadas pelo próprio D. Pedro II.
Decoração maravilhosa da Patricia Vaks. Originalmente iríamos colocar os arranjos de gypsophilas no chão, mas como o corredor ficou um pouco apertado, a Patricia resolveu pendurá-las, e ficou um arraso!
E olha que detalhe fofo nessa cadeira

Voltando para o que estava acontecendo dentro da casa: Bem, devidamente escondida na biblioteca, algumas madrinhas vieram me dar um beijo, troquei minha faixa pelo cinto bege, retoquei a make, e nesse meio tempo, começaram a liberar o cortejo. Próximo post: finalmente, o casamento começa!

Labels: , , , , ,