Eu NÃO sou uma porca, ok?

Acho que, porque nós optamos por não descobrir o sexo do Cub, algumas pessoas ficaram com dúvida em relação ao que chamar o feto/bebê/neném/criança/etc.

Já expliquei aqui que esse "problema" pode ser resolvido simplesmente por chamar Cub de "Cub," como Thiago e eu temos feito (difícil, né?!)
Vários "cubs" na natureza. Foférrimos, né?! 

Porém, algumas pessoas (inclusive minha mãe!) insistem em chamá-lo de "bacurim." Originalmente, juro que achava que estavam chamando Cub de "bacuri" (coquinho típico do nordeste), mas depois descobri que, na verdade, não é bacuri e sim "bacurim" (com um "m" no final). 

Aí, lá fui eu no Google descobrir que diachos era um "bacurim." De acordo com Dicionário Informal, bacurim, "no sertão, é usado para definir filhote de porco, leitão" ou "no Ceará, um filhote de porco, recém-nascido ou muito jovem, que ainda não chegou à idade adulta." 
Até aí, tudo bem. Leitãozinho, apesar de não ser minha escolha de animal mais fofo do mundo, ainda consegue ser um tanto bonitinho. (Sério, comparem esse leitão, que é fofo, com os cubs na foto acima...os cubs são MUITO mais fofos, né?! Não dá nem para comparar...)

Mas sabe qual é o problema?! 

Se o bebê é um "bacurim," então, isso quer dizer, que eu sou uma porca!!! (PQP, né?!)

Ninguém merece ser uma porca...principalmente quando podemos ser uma leoa, tigresa, ou gueparda (a mulher do guepardo é gueparda, né?!)

E não é uma questão de "tamanho," tá? Prefiro até ser associada a uma ursa (já que filhote de urso também é cub) ao invés de uma porca. 
Pelo menos a ursa é limpinha (e não é nojenta, cheia de verme, que come lixo...)

Ou seja, por favor, parem de me associar à uma porca, porque aí já é esculhambação e sacanagem comigo, não acham?! 

Labels: